Vivenciando a arte e a criatividade na instituição: oficina de pintura

Márcia Cristina Quaiatti Antonelli

Resumo


O fazer artístico possibilita tanto a reinserção social quanto a experiência pessoal. O exercício da criatividade permite o desenvolvimento do processo mental e emocional do indivíduo, proporcionando uma visão mais ampla de mundo, tomando decisões nas mais variadas situações da vida. O método aconteceu através de oficinas de arte – pintura abstrata - espatulado com atividades desenvolvidas em grupo de 15 pessoas. Os participantes utilizaram painéis 70 x 90 cm como suporte para a criação dos trabalhos. Os materiais empregados foram pincéis, espátulas, dimensional acrílico nas cores preto e branco e tinta acrílica nas cores primárias, branco e preto. Observou-se que cada participante ao final do processo encontrou características singulares no ato de criar. Nas telas não observamos imagens concretas e definidas, sendo o observador quem interpreta como desejar a criação de cada um. Na arte abstrata o espectador se torna também criador, pois a obra é interpretada com os elementos subjetivos de quem a observa e não do criador. O resultado final são telas com traços, movimentos e cores distintas, cada qual com sua graça e encantamento; agradáveis aos olhos dos observadores. Segundo participantes, são momentos de descontração e relaxamento. Há uma interação prazerosa com os colegas de trabalho, no qual o indivíduo esquece os problemas cotidianos e exercita seu bem estar psíquico e o seu anti-estresse. Essa ação positiva contribui efetivamente para a Qualidade de Vida das pessoas sendo de suma importância que tais oficinas continuem a acontecer.


Palavras-chave


Arte. Oficina. Criatividade. Instituição

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, L.Q. Terapias expressivas. São Paulo, Vetor, 2000.

BUORO, A. B. O olhar em construção. São Paulo, editora Cortez – 2001.

CIORNAI, S. Percursos em arteterapia. São Paulo: Summus, 2004.

FORTUNA, M. Arte abstrata: uma comunicação peculiar; os audiovisuais a serviço do

abstracionismo. In: INTERCOM – CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 29., 2006, Brasília. [Anais...]. Brasília: UnB, 2006.

JUNG, C. G. Fundamentos em psicologia analítica. 9.ed. Petrópolis: Vozes, 1999.

ORMEZZANO, G. Educar com arteterapia: propostas e desafios. Rio de Janeiro: Ed. Wak, 2011.

URRUTIGARAY, C. M. Arteterapia: a transformação pessoal pelas imagens. Rio de Janeiro: Ed. Wak, 2011.

VALLADARES, A. C. A. Arteterapia no novo paradigma de atenção em saúde mental. São Paulo: Vetor, 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

(c) Rev. Saberes Univ., Campinas (SP) - ISSN 2447-9411.