Requisitos Funcionais para Dados de Autoridade Assunto (FRSAD): entidades, atributos e relacionamentos

Maria Antônia Fonseca Melo, Marisa Bräscher

Resumo


Apresenta o modelo conceitual Requisitos Funcionais para Dados de Autoridade Assunto - FRSAD, que ora se apresenta como tendência para a descrição de assunto. Discute o conceito e os relacionamentos semânticos no contexto da organização e representação da informação. Analisa o FRSAD quanto aos seus objetivos e estrutura e discorre, mais especificamente, sobre como esse modelo trata o conceito (thema) e os relacionamentos semânticos (thema-to-thema). Conclui que o FRSAD amplia o escopo de possibilidades de representação temática de uma obra, ao considerar como assunto as dez entidades do modelo Requisitos Funcionais para Registros Bibliográficos - FRBR. O modelo FRSAD não faz recomendações específicas aos relacionamentos entre conceitos, pois seu objetivo é permitir o tratamento de atributos e relacionamentos de maneira independente de qualquer implementação.

Palavras-chave


Representação temática da informação. Descrição de assunto. Requisitos Funcionais para Dados de Autoridade Assunto - FRSAD.

Texto completo:

PDF

Referências


ABBAGNANO, N. Dicionário de filosofia. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003. 1014p.

ALVARENGA, L. Representação do conhecimento na perspectiva da ciência da informação em tempo e espaço digitais. Enc. Bibl: R. Eletr. Bib.Ci. Inf., Florianópolis, n. 15, p. 18-40, 1º sem. 2003.

ARISTÓTELES. Categorias. Tradução Maria José Figueiredo. Lisboa: Piaget, 2000. 113 p. Tradução de: Katêgoriai. (Pensamento e filosofia, 64).

BRÄSCHER, M.; CARLAN, E. Sistemas de organização do conhecimento: antigas e novas linguagens. In: ROBREDO, J.; BRÄSCHER, M. (Org.). Passeios pelo bosque da informação: estudos sobre representação e organização da informação e do conhecimento. Brasília: IBICT, 2010. cap. 8.

BRÄSCHER, Marisa; CAFÉ, Lígia. Organização da informação ou organização do conhecimento? In: LARA, M. L. G.; SMIT, J. (Org.). Temas de pesquisa em Ciência da Informação no Brasil. São Paulo: Escola de Comunicação e Artes/USP, 2010. p. 87-103.

CAMPOS, M. L. A. Linguagem documentária: teorias que fundamentam sua elaboração. Niterói: EdUFF, 2001. 133 p.

CINTRA, A. M. M.; et al. Para entender as linguagens documentárias. 2. ed. São Paulo: Polis, 2002. 96 p.

DAHLBERG, I. A referent-oriented, analytical concept theory for interconcept. Intern. Classificat., v. 5, n. 3, p. 142-151, 1978a.

DAHLBERG, I. A systematic new lexicon of all knowledge fields based on the Information Coding Classification. Knowl. Org., v. 39, n. 2, p. 142-150, 2012.

DAHLBERG, I. How to improve ISKO’s standing: ten desiderata for knowledge organization. Knowl. Org., v. 38, n. 1, p. 68-74, 2011.

DAHLBERG, I. Teoria do conceito. Tradução Astério Tavares Campos. Ci. Inf., Rio de Janeiro, v. 7, n. 2, p. 101-107, 1978b.

DIAS, E. J. W.; NAVES, M. M. L. Análise de assunto: teoria e prática. Brasília: Thesaurus, 2007. 116p. (Estudos avançados em Ciência da Informação, 3)

FIUZA, M. M. O ensino da “catalogação de assunto”. R. Esc. Bibliotecon. UFMG, Belo Horizonte, v. 14, n. 2, p. 257-269, set. 1985.

FOSKETT, A. C. A abordagem temática da informação. Tradução de Antonio Agenor Briquet de Lemos. São Paulo: Polígono; Brasília: UnB, 1973. 437 p.

FRANCELIN, M. M. Ordem dos conceitos na organização da informação e do conhecimento. 2010. 220 f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

GUIMARÃES, J. A. C. A análise documentária no âmbito do tratamento da informação: elementos históricos e conceituais. In: RODRIGUES, G. M.; LOPES,I. L. (Org.). Organização e representação do conhecimento na perspectiva da Ciência da Informação. Brasília: Thesaurus, 2003. p. 100-117.

GUIMARÃES, J. A. C.; SALES, R. Análise documental: concepções do universo acadêmico brasileiro em Ciência da Informação. Rev. Ci. Inf. DataGramaZero, v. 11, n. 1, fev. 2010. Disponível em: Acesso em: 20 jun. 2013.

GUINCHAT, C.; MENOU, M. Introdução geral às ciências e técnicas da informação e documentação. Tradução de Míriam Vieira da Cunha. Brasília: IBICT, 1994. 540 p.

HJORLAND, B. Semantics and knowledge organization. Annual Review of Information Science and Technology, v. 41, p. 367-405, 2007.

IFLA Working Group on the Functional Requirements for Subject Authority Records. Functional Requirements for Subject Authority Data (FRSAD): a conceptual model. Berlin: IFLA, 2010. Disponível em: Acesso em: 10 abr. 2012.

LANCASTER, F. W. Indexação e resumos: teoria e prática. Tradução de Antonio Agenor Briquet de Lemos. 2. ed. Brasília: Briquet de Lemos, 2004. 452 p.

MAIMONE, G. D. Reflexões acerca das relações entre representações temática e descritiva. Inf. & Soc.: Est., João Pessoa, v. 21, n.1, p. 27-35, jan./abr. 2011.

MOTTA, D. F. Método relacional como nova abordagem para a construção de tesauros. Rio de Janeiro: SENAI, 1987, 90 p.

SVENONIUS, E. The intellectual foundation of information organization. Cambridge: The MIT Press, 2000. 254 p.

ZUMER, M.; ZENG, M. L.; SALABA, A. FRSAD: conceptual modeling of aboutness. Santa Barbara, California: Libraries Unlimited, 2012. 121 p. (Third millennium cataloging).





(c) Rev. digit. bibliotecon. cienc. inf. - ISSN 1678-765X



Licença Creative Commons
Esta obra é licenciada sobre uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial License.